Thursday, October 19, 2006

Amor e Perdão nos quase 29

MENOS DE DOIS MESES!!! MENOS DE DOIS MESES PARA O MEU EXÍLIO ACABAR!!!
E eu estou perto de completar 29 anos de vida. Minha nossa, eu já estou com quase 30 anos, quase chegando na idade de Balzac (e, nesse caso, virando um balzaca). Quem sabe eu não comece a conquistar o mundo a partir de 2007?
Naah... não nasci pra ser conquistador. No máximo conselheiro de algum rei ou rainha, e olhe lá. Não sei nem se meus conselhos são bons o bastante para ser conselheiro de alguém. Só sei que algumas pessoas gostam do que eu falo e escrevo, e conseguem tirar proveito disso. Bom para elas, que conseguem tirar um proveito maior de um texto, e bom para mim, que percebo que estou conseguindo notar algumas peculiaridades nos seres humanos. Assim como Balzac.
É... acho que não vou conquistar o mundo a partir dos 30. Mas, quem sabe, escrever um livro?

***

Uma das primeiras coisas que aprendi ao estudar História é que tudo que fazemos no passado influencia no nosso presente, e o presente é vital para a construção do futuro. Por isso mesmo que muita gente acha que o destino da humanidade é o de perpetuar os seus erros infinitamente, algo que eu discordo tremendamente, pois a História serve justamente para analisarmos o que fizemos no passado e lutar para não cometer os mesmos erros no presente.
Entretanto, quando levamos isso pro plano pessoal, o plano das convivências, vemos que isso não é tão simples. Muitas coisas que fizemos no passado ficam marcadas pro resto de nossa vida em outras pessoas. E essas cicatrizes não são simples de serem superadas, ficam carimbadas na alma, e o autor delas fica na memória do outro, até que este é verdadeiramente perdoado.
Entendam, eu não vejo perdão apenas como um gesto de misericórdia, de amor (porque pra perdoar de verdade tem que se amar muito o próximo), mas como um gesto de superação. É como olhar para si mesmo e dizer: "eu superei essa cicatriz, ela não vai mais atrapalhar a minha vida". Daí é encher o peito e seguir em frente com a sua vida. Também não é esquecer, pois a memória continua lá, só que ela se torna algo tão insignificante que não nos desperta mais nada. Vira um tipo de memória vazia, uma vez que ela não mais nos afeta.
Por isso que tanta gente fala que perdoar é mostrar força, pois é você superar aquilo que um outro te fez e continuar vivendo, continuando ou não a ter contato com esse outro. O ressentimento é o contrário, pois essa memória, essa marca na alma não nos deixa descansar, não nos deixa seguir em frente, nos prende. É como aquelas correntes que ficam nas pernas dos presidiários, que os impede de andar para onde quiserem.
Fica até óbvio dizer que algmas dessas marcas na alma acabam sendo feitas por quem a gente ama ou amou, o que faz com que a situação piore ainda mais. Afinal de contas, quem ama não machuca. Quem ama cuida, não fere.
Porém, somos humanos, e humanos erram. Não apenas por maldade, mas por ignorância, por não ter sensibilidade de perceber que nossos atos influem no outro. Amor pode ser perfeito, mas seres humanos passam longe disso. Mas quem disse que isso importa pra quem ama? Amor é lindo, porém terrível, distorce nossa visão, nossos julgamentos. Mas quem consegue viver sem amor?
No fim, aquele que se ama e ama outro perdoa, pois vê no outro as falhas que ele mesmo poderia ter cometido e que é capaz de perdoar em si por se amar e se ver como um humano.

***

Falando em amor...

Love Love Love - The Organ
Amor, Amor, Amor

See the people sitting over there
Veja as pessoas ali sentadas
I want to kiss and touch them everywhere
Quero beija-las e toca-las em toda parte
Oh no, not because I really care
Oh não, não porque eu realmente me importe
Oh god, no, no, I wouldn´t dare
Oh deus, não, não, eu não ousaria

Love, love
Amor, amor
I´d really like a small part of it
Eu realmente gostaria de uma pequena parte dele
Oh love
Oh amor
I can´t believe the word love
Eu não posso acreditar na palavra amor

He´s had love in damp alleys
Ele teve amor em becos úmidos
In city hall, in city libraries
Na prefeitura, em bibliotecas
We smoked it underneath the playground
Nós o fumamos sob o pátio
Slide
Deslize
Why did i try?
Por que eu tentei?

Oh love
Oh amor
We cry so very much about it
Nós choramos tanto por ele
Oh love
Oh amor
Obsessing in the night about it
Desvairando na noite por ele
Oh love
Oh amor
I´d really like a small part of it
Eu realmente gostaria de uma pequena parte dele
Oh love, love, love
Oh amor, amor, amor

Okay, that´s enough of that
Tudo bem, chega disso
Okay, okay now that´s enough of that
Tudo bem, tudo bem, agora já chega disso
I´m getting very tired of the facts
Eu estou ficando muito cansado dos fatos
I´m getting very tired of the facts that
Eu estou ficando muito cansado dos fatos de que

I must be right
Eu devo estar certo
Oh, I must be right
Oh, eu devo estar certo
That´s why I´m cold and alone again
É por isso que eu estou frio e sozinho de novo
That´s why I´m all on my own again
É por isso que estou por minha conta de novo
That´s why I´m throwing things around my home again
É por isso que eu estou jogando coisas pela minha casa novamente
That´s why
É por isso
I´m looking for love
Que eu procuro por amor

Oh love
Oh amor
We cry so very much about it
Nós choramos tanto por ele
Oh love
Oh amor
Obsessing in the night about it
Desvairando na noite por ele
Oh love
Oh amor
I´d really like a small part of it
Eu realmente gostaria de uma pequena parte dele
Oh love, love, love
Oh amor, amor, amor

Creio ser desnecessário dizer algo mais, não?

***

Só faltam dois.

5 Comments:

Blogger Deby said...

saudade, fofinho... espero q vc tenha recebido meus recadinhos no celular...
bjok bem enorme!!!

7:57 PM  
Anonymous Scarlett said...

Seria bom atualizar de vez em quando, não?

1:38 PM  
Blogger Deby said...

ei... ja ta em sampa?? manda noticias de vez em qdo, ne...

4:28 PM  
Anonymous Coisa Ruim S/A said...

Esse som é MATADOR! E nao falo da gravadora, vc sabe... rs

4:42 PM  
Blogger Deby said...

ta dificil sair um post novo provindo da metropole??
demorô!!!
bjs

5:34 PM  

Post a Comment

<< Home